Quem sou eu

Minha foto
Nascido em 06 de junho de 1974, tendo um encontro com Cristo aos 15 anos de idade,desde então militando em prol do crescimento do Reino de Deus.Dedicado pai, esposo e amigo, milita no serviço ativo da PMPI desde 1994,onde alcançou a patente de 1º SgtPm,casado com a Sra.Carmiranda, desta união abençoada nasceram-lhes dois filhos Adiel e Abdiel, atualmente envolvido com o trabalho missionário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Estado do Piauí e estudante de teologia(Bacharel) .
Loading...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Quando a Igreja de Cristo é Perseguida

Texto Áureo : Mateus 5: 10-12
 Leitura Bíblica em Classe

Atos 8: 1-8

1. E TAMBÉM Saulo consentiu na morte dele. E fez-se naquele dia uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judéia e da Samaria, exceto os apóstolos.
2. E uns varões piedosos foram enterrar Estêvão, e fizeram sobre ele grande pranto.
3. E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas: e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão.
4. Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte, anunciando a palavra.
5. E, descendo Filipe à cidade de Samaria lhes pregava a Cristo.
6. E as multidões unânimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia;
7. Pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados.
8. E havia grande alegria naquela cidade. 




Jerusalém é o palco utilizado para protagonizar a primeira grande perseguição contra a igreja de Cristo.Neste palco bíblico,contextualmente,por referências bíblicas e conclusões históricas, três causas principais culminaram com a perseguição inicial da Igreja de Cristo:

1-Causas Políticas e Sociais

A religião cristã, era rápido em crescimento, exigia exclusiva lealdade a Cristo, César era colocado em segundo plano e este era o temor dos lideres romanos, empenhados em preservar a cultura clássica dentro da estrutura do império Estatal. Como desleais ao Estado, para os romanos os cristãos estavam tentando fundar um estado dentro do estado, o Corpo de Cristo tinha de ceder a soberania exclusiva de César. O cristianismo tornou-se então, uma religião ilícita, uma religião ilegal, considerada como ameaça à segurança do estado romano.

2-Causas Religiosas

Os primeiros cristãos nasceram e se desenvolveram sob o judaísmo, na medida em que o cristianismo  começa como uma seita do judaísmo. As primeiras perseguições judaicas aos cristãos devem ser entendidas, então, como um conflito sectário – judeus perseguindo judeus por causa da heterodoxia. Várias outras seitas judaicas da época, no entanto, como os essênios, foram tão heterodoxas quanto o cristianismo.

3-Causas Étnicas/Helenismo

A eleição dos diáconos deu-se em função exatamente de conflitos internos (étnicos), agora imaginem os pensamentos dos judeus ainda não convertidos ao ouvirem Estevão, judeu helenista, convertido ao cristianismo, pregando os ensinamentos de Cristo e convertendo tanto judeus como gentios, pondo em risco a liberdade religiosa do judaísmo, pois, esta era a “religião oficial” e permitida por Roma.Para alguns judeus naquela época o cristianismo era tido como seita, portanto, difusora de um estado de rebelião contra o império romano e também detentor de novos costumes e tradições.O preconceito por parte dos judeus não convertidos contra os cristãos somente era maior quando além de cristãos judeus,fossem eles cristãos judeus helênicos.

Tendo em mente estas três causas, passemos a analisar a perseguição da igreja de Cristo a partir do registro de atos capitulo 6 até/ou terminando no capitulo 8 e contextos.

I- A Expansão por meio da perseguição

A wikipédia conceitua a expressão “Perseguição aos Cristãos” como os maus tratos físicos e psicológicos dado aos crentes, incluindo agressões e mortes, por causa da sua fé na mensagem de Jesus Cristo.

Logo após a instituição do diaconato, Lucas registra que Estevão tornou-se um eloquente pregador do evangelho, ao ponto de levantar o ódio de alguns grupos daquela época, fato que o levou perante o Sinédrio, onde foi condenado por blasfémia, sendo sentenciado a ser apedrejado (At.8). Entre os presentes na execução, estaria Saulo de Tarso.
Após a morte de Estevão desencadeou-se uma terrivel perseguição aos cristãos cabeceada por Saulo de Tarso, exceto aos apóstolos, o que levou a dispersão da igreja.Esta dispersão levou a igreja a expandir-se e fazer missões, o evangelho sai das quatro paredes de Jerusalém e agora ganha outros rincões, ponderando a vida dos apóstolos acredito que no ínicio eles descuidaram da evangelização mundial, a perseguição então acelerou este processo seletivo de Deus através do Evangelho:”Quem crer e for batizado será salvo, quem não crer será condenado...Mas como crerão se não há quem pregue...” A partir da perseguição o evangelho chega à:
Judéia e Samaria,Etiópia através do eunuco,Lida e Jope,Cesaréia.

II-A Proclamação do Evangelho por meio da perseguição

Neste primeiro momento da perseguição destaca-se outro cristão helênico, o Diácono Filipe, eleito entre os sete primeiros diáconos da igreja primitiva (At.6), este após a dispersão, segundo Atos 8:4, descendo a Samaria lhes anunciava a Cristo, sinais e maravilhas vaticinavam o seu ensino e pregação, até certo homem chamado Simão creu e foi batizado, abandonando a prática da arte mágica com a qual iludira o povo.
Os apóstolos que ficaram em Jerusalém tendo tomado conhecimento do trabalho realizado em Samaria por Filipe enviaram-lhe Pedro e João que confirmaram os novos discípulos impondo-lhes as mãos para o recebimento do Espírito Santo, a manifestação do Espírito marcou um novo degrau no Plano da Salvação, ou seja, Deus não faz acepção de pessoas (At.10: 34). Pedro e João ainda testificam do Evangelho de Cristo em outras aldeias samaritanas antes de voltarem para Jerusalém.

III-A Conversão de almas por meio da perseguição

Lucas registra que Filipe em obediência a uma determinação angelical vai até Gaza,no deserto encontra um eunuco etíope,mordomo-mor de Candace,rainha dos etíopes e este eunuco lia no profeta Isaias,porém sem entender o que lia, ao que o Espírito do Senhor ordena a Filipe que ajunte-se ao carro,o desfecho desta história estar nos versículos 35 – 40, Cap. 8 de Atos onde lemos:
35. Então Filipe, abrindo a sua boca e começando nesta escritura, lhe anunciou a Jesus.
36.E,indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado?
37. E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.
38. E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou.
39. E, quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho.
40. E Filipe se achou em Azoto, e, indo passando, anunciava o Evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia.

Em meio a perseguição Filipe e tantos outros foram obedientes a Voz de Deus, primeiramente neste caso Deus lhe fala pelas palavras de um anjo – desce a Gaza – Depois o próprio Espírito Santo lhe fala e direciona – Ajunte-se ao carro - o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe.

Conclusão:

Após a  morte de Estevão houve uma feroz perseguição contra a Igreja de Cristo em Jerusalém, os díscipulos foram dispersos, no entanto iam por toda parte anunciado o Evangelho do Reino, o que parecia ser uma vitória das trevas tornou-se em uma coroa de vitória para a igreja pois, com a perseguição liderada por Saulo de Tarso a igreja ganhava espaço e notoriedade, o Evangelho de Cristo expandia-se , saindo de Jerusalém, conforme determinação do Senhor Jesus Cristo nos Evangelhos e em Atos 1: 8 e chegando até os confins da terra e em meio a esta perseguição os discípulos proclamavam a Palavra de Deus com ousadia (At.4: 31) e com isto muitas almas se convertiam ao Senhor.
Em Mateus capitulo 16 o senhor Jesus disse que: as portas do inferno não prevaleceriam contra a sua Igreja, esta expressão significa que nem mesmo o poder da morte pode evitar o avanço da Igreja, do reino de Deus e nem reivindicar vitória sobre aqueles que pertcem a Deus.

No texto áureo somos confrontados no sermão do próprio Cristo a aceitar as perseguições. Filipe é um exemplo claro de como o crente deve enfrentar a perseguição:

*Com Alegria      *Com disposição e ousadia      *Evangelizando e fazendo missões      *Com sensibilidade  à Voz de Deus    *Mantendo pura a nossa identidade cristã  *Segue uma lista enorme na Bíblia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário